Cristãos contam como resistiram a reconversão em templo hindu

ÍNDIA - Aos poucos, novos relatos vão chegando dentre os cristãos atraídos para um templo hindu, no dia 27 de fevereiro passado, para uma cerimônia de "reconversão" forçada.

Amar Singh, um cristão do povoado de Ganvi, conta que foi levado de ônibus ao templo hindu para a cerimônia, junto de outras pessoas e que foi pressionado a participar dos rituais e das cerimônias de purificação.

“O policial Brij Lal preencheu um tipo de formulário que eu não assinei – então ele mesmo assinou por mim”, disse Amar Singh ao Compass. “Eu, juntamente com a minha família, continuarei seguindo Cristo e fazendo os trabalhos para a nossa igreja”.

Resistência

Os extremistas hindus enviaram ameaças por toda a região. O cristão Dharmendra Kanol disse ao Compass: “Eles me enviaram mensagens ameaçadoras por outros moradores dizendo que iam me atacar com pedaços de pau se eu não fosse ao templo Rampur Bushar, mas eu não fui.”

Lal Chand, que estava num dos 20 cristãos levados do povoado de Ganvi ao templo em Rampur Bushar, disse que o ônibus parou primeiro em um hotel onde eles foram instruídos a preencherem um questionário com as perguntas: “Qual é a sua religião? A qual religião você se converteu? Que meios foram utilizados para que você se convertesse? Você gostaria de se ‘reconverter’ ao hinduismo?”. “Depois nós fomos levados ao Templo Satyanarayan”, disse ele.

“Voltando para casa”

As televisões locais e os jornais deram a esses incidentes o nome de “voltando para casa”, em reportagens no dia 28 de fevereiro.

O jornal "Amar Ujjala" publicou declarações de grupos extremistas hindus do Vishwa Hindu Parishad (VHP) e do Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) dando as boas-vindas oficiais para as famílias que voltaram as suas “casas de origem”, dizendo que eles estavam contentes com o fato de que as famílias “reconvertidas” reconheceram as “intenções erradas” dos cristãos e de seus pastores e voltaram aos braços do hinduísmo.

Eles também avisavam que estavam organizando mais eventos de “boas-vindas” em outras partes de Himachal Pradesh.

O Estado aprovou no ano anterior uma controversa “Lei de Liberdade Religiosa” ordenando que todos os que se convertem de uma religião a outra, precisam primeiro avisar aos magistrados do distrito, mas a lei não restringe as pessoas a se converterem de volta às suas “religiões originais”, que na maioria dos casos é o hinduísmo.

O pior dia da vida de um cristão

A população cristã em Himachal Pradesh representa 0,13% do total. Kuldeep Dogra, cristão batizado há quatro anos, foi um dos enganados e levados ao templo. “Eu não sabia que eles iam me obrigar a fazer tudo isso”, disse ele. “Eu estou seriamente sentido.”

Sundar Singh, um dos 20 cristãos levados de ônibus ao templo, disse que havia em torno de 10 câmeras lá. “Eu me senti abominável”, disse ele. “Esse foi o pior dia da minha vida”, completou.

Nenhum comentário: